Entomofagia: que delícia??!!!

Por Lucas Vinicius

Nos países asiáticos existe a pratica de consumir insetos (prática conhecida como entomofagia) mesmos que não seja algo comum atualmente, mas por qual motivo?

Os chineses começaram a ingerir esses bichos durante a fome que eles tiveram que enfrentar no passado, o pior momento foi quando Mao Tsé-tung (Ex-Presidente da República Popular da China) decretou a coletivização do campo em 1958 segundo o site VEJA.

Insetos1

Já os tailandeses possuem os insetos na gastronomia, mesmo que atualmente já não é um alimento tão consumido entre eles, normalmente e somente encontrado em cidades menores e servido mais para turistas que tem interesse no consumo de insetos.

 

Agora que já está explicado, quais benefícios essas iguarias trazem para quem o consume, os insetos têm uma grande quantidade de nutrientes como proteína, ganham até de bovinos que são mais consumidos normalmente pela população

– Insetos precisam de 2 kg de comida para converter em 1 kg de massa (comestível). Já o gado precisa de 8kg de comida para produzir 1 kg de massa.

– Um grilo, por exemplo, produz 100 vezes menos gás carbônico por quilo do corpo do que um porco.

– Um inseto tem 80% de carne aproveitável e chega a ter mais da metade de proteína por 100g do seu corpo do que um boi, que só tem 50% de carne aproveitável. Isso segundo o site VEJA.

Insetos2

No Brasil os insetos não são muito bem vistos para o consumo, mas são muito recomendados e cientistas já incentivam a pratica da entomofagia como fonte sustentável de proteína.

Mesmo não sendo uma pratica dos brasileiros alguns também consomem insetos sendo eles vários grupos indígenas, comunidades urbanas, populações ribeirinhas do Amazonas, grupos de pastores e de pescadores e comunidades afro-brasileiras.

Segundo o site G1 o insetólogo holandês Arnold van Huis incentiva a pratica da entomofagia, o biólogo brasileiro Eraldo Medeiros Costa Neto, da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), disse concordar positivamente com a proposta de van Huis. “No entanto, muitas espécies de insetos apresentam compostos farmacologicamente ativos e, assim, os efeitos tóxicos potenciais dos insetos comestíveis precisam ser investigados com mais atenção”.

https://www.youtube.com/embed/RSYEjaG2GZg

Anúncios

Câncer infantil: quando a cura pode estar no amor

Por Jenny RDS

Jenny3

Muitas vezes, com a nossa dura rotina só ligamos para os nossos problemas e esquecemos que as pessoas têm problemas maiores. Escolhi o tema do câncer infantil para mostrar que a cura é possível, mas é preciso enfrentá-lo. A criança que tem câncer só precisa de cuidado e amor.

Nesse texto, quero mostrar confiança, que os pais não precisam se desesperar, pois é um tratamento longo ou muitas vezes não. Mas as crianças são fortes para suportar um câncer. E confie no grupo de enfermeiros, médicos que estão cuidando da sua criança e fazendo de tudo para acha a cura do câncer.

O que é o câncer infantil?

E para começar, vamos explicar: o câncer infantil é um grupo de doenças em crianças, que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais em qualquer local do organismo. Diferente do câncer adulto, o câncer infantil geralmente afeta as células da área sanguínea da criança e a sustentação, enquanto nos adultos há outros tipos câncer, como por exemplo: câncer de mama, câncer de pulmão, etc.

Quando o câncer da criança é detectado no início, a chance de cura é de 70%.

O sintoma do câncer infantil pode ser confundido com infecções. Portanto, é importante que o pediatra esteja atento aos sinais.

Quando o câncer da criança é descoberto tanto a sua vida como a dos pais mudam. São novas rotinas domésticas e financeiras. Os pais também devem estar atentos aos sinais que indicam que uma criança pode sofrer um problema grave.

Quais são tipos e sintomas de câncer infantil?

Leucemias – causa tontura, desmaios, cansaço, sonolência, pouca fome, emagrecimento, palidez, dor de cabeça, alopecia, palpitação, irritação e fraqueza.

Tumores do sistema nervoso central e linfomas –  dor de cabeça, vômitos persistentes, desperta de sonos, sonolências, dificuldade para caminhar, quedas frequentes, alterações visuais, alteração do comportamento ou humor, dificuldades escolares sem causa definida, parada ou regressão das etapas do desenvolvimento do processo de aprendizagem da criança.

Neuroblastoma – o tumor é sólido e se desenvolver no tórax, causam dores na região, chiado no peito, mudanças nos olhos, principalmente na pálpebra caída e tamanho; abdômen, causam dor na região, aparece uma massa dura abaixo da pele, diarreia frequente.

Tumor de Wilms – febre, náuseas, perda de apetite, falta de ar, sangue na urina e constipação.

Retinoblastoma – problemas de visão, dor nos olhos, cor diferente de cada íris, sangramento na parte interior no olho, vermelhidão na parte branca nos olhos e diminui de tamanho na luz.

Tumor germinativo – franqueza nas pernas, o tumor pressionando os nervos da base da espinha, uma massa pode ser sentida no abdômen ou em outras partes no corpo. Há também casos em que a criança não apresenta sintomas.

Osteossarcoma – dores nos ossos (no início é possível não ser constante, porém, aumenta com atividades e ser tiver dores nas pernas causa dificuldades para andar); inchaço (após o início da dor e dependendo da localização das dores é possível sentir o nódulo e a massa).

Sarcomas – fezes escuras, sangramento nas fezes, vômitos, dor abdominal que piora com o tempo e nódulo em desenvolvimento em qualquer parte do corpo.

Tratamento do câncer

Jenny2

Se o câncer for confirmado, os pais precisam saber como lidar com essa situação. Durante os tratamentos alguns cuidados são fundamentais. Como por exemplo:

Quando a criança estiver no período de quimioterapia, a sua imunidade poderá ser mais baixa. Evite levá-la a lugares pouco ventilados, lugares cheio de gente. Ao contrário disso, leve a criança à casa de um amigo ou peça para alguém visitá-la em casa.

Evite deixar a criança com pessoas com gripe ou que estejam com tosse, mas não proíba a criança de manter contato. Se tiver saudade daquela pessoa, a internet ajuda a manter contato. A criança precisa de carinho, de todo amor nesse momento.

Em alguns casos, após o tratamento, é comum as plaquetas ficarem mais baixas ou oscilarem. Então evite deixar a criança a cair e se machucar. Se possível, deixe ela se divertir com jogos de videogame, DVDs, livros, desenhos, jogos de quebra-cabeça, etc.

Quando você notar que a criança não está bem, está triste, com comportamento diferente por causa do câncer, converse com ela e explique que o tratamento vai ajudar na saúde dela. Porém, explique na linguagem da criança. Não mostre que você está triste, mas mostre positividade.

Diagnóstico e tratamento

O período do diagnóstico é feito a partir de história clínica, exame físico, testes de laboratórios, como hemogramas, exames bioquímicos e raio-X. Para o tratamento do câncer infantil, os médicos fazem uso das terapias mais comuns que são quimioterapia, radioterapia e cirurgia. O organismo da criança se recupera mais rapidamente que o do adulto com a quimioterapia.

Se tiver qualquer dúvida, pergunte a um enfermeiro, médico ou do grupo especializado na cura da criança.

Não se assuste, muitas crianças já se curaram. Os pais que já passaram por isso falam que os pequenos seguram mais a barra do que os mais velhos. Eles são mais curiosos e interessados do que alguns pais, que não conseguem conversar sobre esse assunto, nem escutar.

GRAACC (Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer)

No Brasil, existem instituições que ajudam as famílias e as crianças com câncer. Uma delas é o Graacc, uma organização não-governamental que ajuda crianças a ter direito de alcançar todas as curas com qualidade de vida, há mais de 26 anos. O hospital do Graacc atende 3.000 crianças e adolescentes anualmente.

O instituto atua no diagnóstico e no tratamento do câncer infantil, como também o desenvolvimento do ensino e da pesquisa.

Foi a partir do Dr. Sérgio Petrilli, chefe do setor de Oncologia do Departamento de Pediatria da Escola Paulista de Medicina, que surgiu a Graacc.

Saiba que o dia 15 de fevereiro é o Dia Internacional de Luta contra o Câncer Infantil. Essa data é importante para valorizar a luta infantil e ajudar as nossas crianças a superar a doença; e não somente elas, mas os pais também.

A Coniacc (A Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer) apoia esta campanha. É uma instituição que trabalha para a melhora e qualidade das crianças e adolescente, tentando fazer com que o paciente não sofra e nem sinta muita dor.

Além do Graacc e do Coniacc, o Instituto do Ronald Mc Donald promove o Mc Dia Feliz, que conta com a ajuda dos clientes, com os trocos dos restaurantes Mc Donalds ajudando a melhorar a vida dessas crianças.

Aproveite também para assistir:

VENCER O CÂNCER É MAIS FÁCIL QUANDO SE ESTÁ CERCADO DE AMOR https://www.youtube.com/watch?v=zQ8MRqLDOHI

 

 

Desmatamento, o mal desnecessário

“A cada árvore cortada uma lágrima que cai”

Terezinha1

Por Terezinha Lima

Muita gente acha que o desmatamento é um problema dos índios, do povo do Amazonas, de Rondônia, do Acre, longe da gente do Sudeste do Brasil. Nada disso, a redução das florestas pelo desmatamento atinge todos nós, por isso precisamos cuidar bem dela.

Resolvi falar sobre esse assunto, por presenciar no interior do Maranhão como é grande esse tipo de crime de extração ilegal de árvores. Vejo caminhões passando à noite para tentar fugir da fiscalização.

O processo de desmatamento das florestas brasileiras começou desde a chegada dos primeiros colonizadores portugueses ao Brasil. Mas caminha a passos largos até hoje.

A entidade Amazônia SAR mapeou 378 mil hectares de área e emitiu 20 mil alertas entre novembro de 2016 e janeiro de 2018. E a Amazônia está se aproximando perigosamente de um ponto “sem volta”, ao qual se chegaria se o desmatamento superar 20% de sua área original, segundo as Nações Unidas.

O desmatamento da Amazônia está perto de 17% de sua vegetação nos últimos 50 anos. Portanto, perto do limite de 20%, que seria o abismo climático.

Mas você sabe o que é desmatamento?

Desmatamento ou desflorestamento é a retirada total ou parcial das árvores, florestas e demais vegetações de uma região.

 Qual o principal motivo do desmatamento?

 Terezinha2

É o econômico, pois existem algumas madeiras de extremo valor comercial, que são exploradas de modo inconsequente, sem que haja um reflorestamento.

Uma delas é o pau-brasil, madeira de alto teor comercial para os portugueses no século XVI. Foi quando começou o desmatamento no país.

A floresta amazônica é uma grande preocupação para quem defende o meio ambiente, como o Greenpeace. A Amazônia é considerada a maior floresta tropical do planeta, conhecida como “pulmão do mundo”, pela quantidade de árvores que ajudam a produzir oxigênio para a atmosfera.

Principais causas do desmatamento

– Extração de madeira;
– Instalação de projetos agropecuários;
– Implantação de projetos de mineração;
– Instalação ou expansão de garimpos;
– Construção de usinas hidrelétricas;
– Incêndios;
– Queimadas (técnica de cultivo tradicional).

Terezinha3

É grande no Brasil a quantidade de queimadas de florestas, que consomem uma quantidade incalculável de biomassa todos os anos, provocadas pelo desenvolvimento de atividades agropecuárias, portanto, sob o amparo da lei. Também podem ser resultado de práticas criminosas ou ainda de acidentes.

Consequências do Desmatamento

O desmatamento gera consequências globais. É um dos responsáveis pela intensificação do efeito estufa no planeta, destrói também o habitat natural de várias espécies de animais, provocando a extinção da fauna e da flora da região explorada indevidamente.

O que podemos fazer para melhorar essa situação?

As queimadas, por exemplo, são um dos grandes fatores do desmatamento. Que tal tomarmos cuidado com as bitucas de cigarros? Os pequenos agricultores fazem aceiros na hora da queimada. Aceiro é a retirada de vegetação de uma pequena área para evitar que o fogo se alastre durante uma queimada. O ideal seria desmatar somente o necessário e sempre que possível reflorestar, como fazemos no sítio de minha família.

https://www.significados.com.br/desmatamento/

https://brasilescola.uol.com.br/geografia/o-desmatamento.htm

https://www.greenme.com.br/informar-se/ambiente/6028-impactos-desmatamento-brasil

http://educacao.globo.com/artigo/vegetacao-e-os-impactos-do-desmatamento.html

 

Dia De Los Muertos: Festa Mexicana em memória daqueles que se foram

Por Vic Silva

Eu comecei esta pesquisa com o intuito de conhecer um pouco mais sobre esta celebração mexicana, que vem sendo muito popularizada e respeitada como parte de uma grande cultura.

O Dia de Los Muertos ocorre todo dia 2 de novembro. Os festejos começam a ser preparados desde o dia 31 de outubro, o que faz com que o período coincida com algumas datas tradicionais católicas como o Dia de Todos os Santos e o Dia de Finados.

Segundo a crença popular, a data marca uma celebração feliz, que visa atrair os entes queridos que já morreram e agradá-los em sua rápida passagem pelo mundo dos vivos.

Muertos1

Origem indígena

O Dia dos Mortos já era celebrado pelos povos nativos mesoamericanos – maias, astecas, entre outros -, muito antes da conquista espanhola (séc. XVI) e, portanto, é anterior à penetração do cristianismo no continente.

Era comum a prática de conservar os crânios como troféus e mostrá-los durante os rituais que simbolizavam morte e renascimento.

Na cosmovisão asteca, vida e morte não são excludentes. A morte é entendida como fim de um ciclo e princípio de outro, não tem a carga moral do cristianismo atual e nem estava sujeita ao inferno punitivo ou ao céu paradisíaco. Para eles, o lugar de destino não dependia de suas ações quando vivo, mas da maneira como alguém morreu.

Pela tradição, as comemorações acontecem da seguinte forma: No dia 30 de outubro começam os rituais, que incluem acender uma vela preta em seu altar, que simboliza todas as almas.

Do meio-dia de 31 de outubro ao meio-dia de 1 de novembro celebra-se a chegada dos “angelitos”, as almas das crianças que se foram cedo. Neste dia, as velas dos altares são brancas.

Do meio dia de 1 de novembro ao meio-dia de 2 de novembro celebra-se a chegada das almas dos jovens e adultos. Nesse dia, as velas acesas são todas coloridas, em homenagem a todos.

Muertos2

Muertos3

O personagem popular da festa é La Catrina, um emblema com o qual as classes médias criticam os privilegiados e ricos.

Outro personagem é denominado Micli ou Mictlantecuhtli (Senhor do Reino dos Mortos), governante de Mictlan, a camada mais profunda do submundo asteca. É um dos mais assombrosos deuses astecas, representado como uma pessoa vestindo uma caveira com dentes salientes, ou como um esqueleto. Tem o papel de zelar pelos ossos dos mortos.

Os balões iluminados sobem ao céu para indicar aos espíritos a rota a se seguir, para conseguirem chegar às suas antigas casas para o convívio de seus familiares, bem como mostrar-lhes o caminho de retorno, após a celebração.

Muertos6

Culinária

Os mexicanos também competem pelo título de quem faz o melhor pão de morto (quitute que leva raspas de laranja, erva-doce e é enfeitado com caveiras). Outras iguarias são caveiras de açúcar (usadas para decorar mesas ou adoçar o café em restaurantes descolados), doces de abóbora, frutas, tequila e sal.

Muertos7

Curiosidades

É comum enfeitar os cemitérios para acolher bem as almas, que então regressam para seus túmulos. Também se colocam pétalas e velas no caminho entre a casa e o cemitério, para “guiar” os mortos.

Muertos8

Filmes

“Viva – A vida é uma festa” e “Festa no céu” são exemplos de animações que representam esta comemoração. São feitos desfiles com música, aos quais muitas pessoas vão fantasiadas e pintadas.

Muertos9

Atualmente encontramos também pessoas que fazem tatuagens, seja da caveira mexicana ou de La Catrina, bem como produção de roupas e acessórios, sendo muito comercializados em diversos países, como uma espécie de modinha entre os jovens de hoje em dia.

Posso concluir esta matéria com a seguinte frase:

“São vários os sentimentos que traduzem essa data: um sentimento de que, a vida do morto é importante demais, e que, a morte verdadeira só acontece quando se esquece sua memória”.

Encontre mais informações nestes sites a seguir:

http://www.dondeandoporai.com.br/dia-dos-mortos-no-mexico-curiosidades-infos-e-tudo-sobre-um-festival-do-outro-mundo/

http://www.ensinarhistoriajoelza.com.br/dia-de-los-muertos-mexico/

http://www.tudodomundo.com.br/dia-dos-mortos/

Efeitos da má higienização bucal

Por Geiza de Oliveira

Cuidar da higiene bucal é mais importante do que imaginamos. A saúde dos nossos dentes e tecidos bucais pode refletir não somente no nosso visual, mas também na qualidade da nossa saúde.  A falta de escovação e do uso de fio dental corretamente pode causar várias consequências.

CÁRIES E CANAIS

A principal consequência é o desenvolvimento de cáries e canais nas estruturas dentárias. Porém, não custa reforçar que o simples ato de escovar os dentes e o uso do fio dental diariamente é capaz de reduzir, significativamente, as chances de surgimento dessas lesões na arcada dentária.

Dentes1

GENGIVITE

Quando os dentes sofrem acúmulo de placas bacterianas, que se desenvolvem com a falta de escovação correta da boca, a gengiva também sofre as consequências desse problema. A causa mais comum é a inflamação, irritação na mucosa, sangramento e a retração gengival, expondo a raiz e deixando a região ainda mais sensível a doenças e dores frequentes.

Dentes2

PERIODONTITES

Periodontites são todas as doenças relacionadas com a saúde da gengiva e dos tecidos da boca.  Ao longo prazo, enfraquecem as estruturas que sustentam os dentes. Se não tratada, pode resultar em problemas ainda muito mais graves para a saúde do paciente como a perda dos elementos dentários.

Periodontites graves podem evoluir para complicações como a endocardite bacteriana que é uma bactéria que cai na corrente sanguínea através de um sangramento na boca e se aloja no coração.

Dentes3

MAU HÁLITO

O acúmulo de placas bacterianas nos dentes, na gengiva e na língua, além de irritar e inflamar toda a região bucal, pode aumentar a produção de odores desagradáveis. De acordo com alguns estudos, os restos alimentares são responsáveis por 90% dos casos de mau hálito. A saburra é formada principalmente no período do sono, em que há uma diminuição na produção de saliva e, consequentemente, um aumento das bactérias que são responsáveis pelo quadro de mau hálito, interferindo na qualidade de vida e bem-estar e até na autoestima.

http://tepe.com.br/6-consequencias-da-ma-higiene-bucal/

Dentes4

Câncer Bucal

O Câncer bucal pode ser causado por vários fatores, entre eles o cigarro, o álcool e a excessiva exposição ao sol sem a devida proteção. Na sua fase inicial ele se apresenta como pequenas feridas ou manchas avermelhadas e não causa dor, podendo passar tranquilamente despercebido. E para piorar a situação, uma má higienização bucal ajuda a camuflar ainda mais os sintomas e as lesões características dessa doença. Não existe uma receita para a higienização bucal ideal, mas o principal é uma boa escovação tanto dos dentes como da língua, associada ao uso do fio dental todos os dias.

O câncer de boca tem cura se for diagnosticado em estágio inicial. Mas infelizmente isso não é a realidade para a maior parte dos casos, pois o mesmo geralmente é diagnosticado somente em estágio avançado o que dificulta as chances de cura.

https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/saude-bucal/atualidades/ma-higienizacao-pode-camuflar-cancer-de-boca-e-garganta,7165ba7d7089d57.

Dicas de uma boa higiene bucal

Dentes5

Os dentes são estruturas fundamentais para o processo de digestão e mastigação. Eles realizam, por exemplo, o corte e a trituração dos alimentos, garantindo, assim, parte da digestão mecânica. Além da digestão, os dentes proporcionam um sorriso mais harmonioso, o que contribui, para a nossa aparência física.

  1. EscovaçãoOs dentes devem ser escovados diariamente. Porém, uma escovação não é suficiente, sendo necessário escovar após cada refeição e também antes de dormir. A escova mais recomendada é a de cerdas macias, com a cabeça de tamanho reduzido para alcançar locais mais difíceis de escovar. A quantidade recomendada de pasta de dentes a cada escovação é correspondente ao tamanho de um grão de ervilha. Colocar bastante creme dental não é um sinônimo de boa higiene. http://www.sorrisologia.com.br/noticia/qual-a-quantidade-certa-de-creme-dental-para-escovar-os-dentes_a3705/1

Dentes6

  1. Fio dental:Utilizar o fio dental é fundamental para a remoção de restos de alimentos que podem estar localizados em partes onde a escova não alcança e também para retirar a placa bacteriana, que, se não removida, poderá desencadear o tártaro. O fio atua como uma complementação da escovação e deve ser também utilizado diariamente. Importante: não utilizar objetos que não seja o fio dental, como por exemplo (palito de madeira).

Dentes7

  1. Alimentação: Uma alimentação saudável também é fundamental quando o assunto é a saúde dos dentes.Recomenda-se a diminuição da ingestão de açúcares e alimentos com amido, principalmente entre as principais refeições.

 

  1. Enxaguantes bucais: Possui ações germicida e bactericida, mas não consegue penetrar nem remover as placas bacterianas nem os restos de alimentos entre os dentes. Por isso, ele é considerado um complemento da higiene bucal.Dependendo de cada caso, há produtos específicos e os princípios ativos são diferentes, assim como o aroma, porém a ação é sempre a mesma. Há aqueles indicados para a higiene pós-cirúrgica; pessoas com diabetes; os que contêm flúor para controle de cárie; os que visam combater a hipersensibilidade dos dentes; e os que possuem substâncias antibacterianas para eliminar as bactérias bucais.
  2. Consulta com um profissional: É recomendável sempre buscar um profissional para avaliar a saúde dos dentes e realizar a sua limpeza periódica.

http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/saude-bem-estar/cuidados-com-os-dentes.html

 

 

O crescimento da febre amarela no Brasil

Por Maria Rodrigues de Lima

Resolvi fazer essa pesquisa porque trabalho em uma Unidade Básica de Saúde e vejo que as pessoas têm muitas dúvidas no que diz respeito à febre amarela e não estão bem informadas sobre a doença. E a melhor maneira de se prevenir é a vacina e a informação.

Caso as pessoas não tomem a vacina, podem morrer. Só para se ter uma ideia, segundo o Ministério da Saúde, entre julho de 2017 e 2 de maio de 2018, o Brasil registrou 394 mortes por febre amarela.

Veja o crescimento da doença no Brasil em 2018:

Grafico Maria 1

Fonte: Globo.com

Campanha de vacinação

O governo anunciou em março de 2018 a ampliação da vacina da febre amarela para todo o Brasil. A medida foi tomada após o segundo ano de alta no número de casos da doença e com a maior proximidade do vírus nas zonas urbanas.

Municípios do Rio de Janeiro, da Bahia e de São Paulo realizaram campanhas de vacinação contra a febre amarela com doses fracionadas entre janeiro e maio.

A decisão foi adotada mediante recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O que é a vacina fracionada?

O fracionamento é a aplicação de uma dose menor do que a tradicional. Dessa forma, um frasco com cinco doses da vacina padrão pode imunizar até 25 brasileiros.

Esta é uma medida emergencial em razão do surto da doença no país e implementada em áreas selecionadas.

Veja as regiões onde aconteceram mortes causadas por febre amarela:

Grafico Maria 2

Fonte: globo.com

O que é a febre amarela?

É uma doença provocada por um vírus. O vírus é transmitido pela picada dos mosquitos infectados. Não há transmissão direta de pessoa a pessoa. A pessoa apresenta os sintomas iniciais de 3 a 6 dias após ter sido infectada.

Veja como acontece a transmissão da febre amarela:

Grafico Maria 3

Sintomas

Os sintomas iniciais da febre amarela incluem febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. A maioria das pessoas melhora após estes sintomas iniciais. No entanto, cerca de 15% apresentam um breve período de horas a um dia sem sintomas e, então, desenvolvem uma forma mais grave da doença.

Em casos graves, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal) e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Cerca de 20% a 50% das pessoas que desenvolvem a doença grave podem morrer.

Veja os principais sintomas:

Grafico Maria 4

 Tratamento

O tratamento é apenas permanecer em repouso, com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado. Nas formas graves, o paciente deve ser atendido em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para reduzir as complicações e o risco de morte. Medicamentos como AAS e Aspirina devem ser evitados, já que o uso pode favorecer hemorragias.

A vacina pode causar a doença?

A vacina é feita a partir do vírus vivo atenuado. Isso quer dizer que existe uma pequena chance de desenvolver a doença, no entanto ela existe na proporção de 1 reação adversa para cada 400 mil doses de vacinas.

Reações adversas 

Após a vacinação da febre amarela, as reações adversas mais comuns podem ser hipersensibilidade e as manifestações da própria doença. Casos de morte em até 30 dias após a vacinação devem ser investigados para confirmação se foi ou não relacionada ao uso da vacina.

Se qualquer pessoa vacinada desenvolver os sinais e sintomas comuns para doença em até 15 dias após a vacinação, deve rapidamente procurar o serviço de saúde mais próximo para atendimento.

Áreas de risco

Locais que têm matas e rios, onde o vírus e seus hospedeiros (macacos) e vetores (mosquitos) ocorrem naturalmente, são consideradas como áreas de risco. No Brasil, a vacinação é recomendada para as pessoas a partir de 9 meses de idade que residem ou se deslocam para os municípios que compõem a Área Com Recomendação de Vacina.

Conclusão

É preciso que as pessoas se conscientizem dos riscos da doença. Tudo começa quando o mosquito pica o macaco e o mesmo mosquito depois pica o homem. Aí o vírus começa a agir no organismo, causando a doença, caso a pessoa não esteja imune com a vacina. Portanto, a melhor maneira de prevenir é a vacina e a informação.

Como a musicoterapia pode evitar ou curar doenças

Por Vany Santos

Edvany

Mesmo sem conhecimentos técnicos, tenho utilizado a música a fim de relaxar corpo e mente. Em algumas leituras relacionadas à cura física e psíquica, a musicoterapia surgiu como indicação, mas o que realmente me chamou atenção foi perceber o efeito da terapia musical nas pessoas com problemas psíquicos e a possibilidades de reabilitação.

Atuando em sala de aula com crianças de até 4 anos, notei alterações positivas no comportamento de uma criança diagnosticada com microcefalia, despertando a percepção auditiva, desenvolvimento da linguagem oral e corporal.

Também posso relatar que outras crianças faziam expressões tristes ao ouvir músicas com ritmos lentos.

A musicoterapia tem atuado em diferentes espaços. Mas o que é a musicoterapia?

A musicoterapia é uma intervenção clínica, na qual o terapeuta ajuda o indivíduo a promover a sua saúde através de experiências musicais e da relação que se cria entre ambos, como força dinâmica de mudança.

São conjuntos de técnicas baseadas na música e empregadas no tratamento de problemas somáticos, psíquicos e psicossomáticos.

Segundo alguns autores, Aristóteles foi o primeiro a teorizar sobre a grande influência da música nos seres humanos. A ele devemos a teoria de ETHOS (palavra grega que pode ser traduzida neste contexto como provocadora de estados de ânimo) da música. Esta teoria é baseada na ideia segundo a qual existe uma estreita relação entre os movimentos físicos do ser humano e a música escutada.

Aristides Quintiliano descreveu três grupos de composições já existentes:

A “Systaltiké” – as composições musicais que produzem um efeito depressivo ou que despertam sentimentos penosos.

A “Diastaltiké” – as que elevam o espírito

A “Hesikastiké” – aquelas que acalmam o espírito.

Descartes também concluiu que os intervalos musicais podem influenciar os estados mentais. Já no século XX, sob influência do positivismo, houve a redução do uso terapêutico da música, por este ter como base o método experimental e as ciências naturais.
Apesar de sempre agir como um bálsamo terapêutico, desde o princípio da história, a terapia musical surgiu como disciplina no século XX, logo depois da Segunda Guerra Mundial.

Vários músicos começaram a tocar em hospitais para aliviar o sofrimento dos soldados feridos. Com esse trabalho, muitos pacientes passaram a apresentar traços de recuperação. Desde então a música tem sido amplamente e cada vez mais usada como exercício alternativo de cura.

Em 1944 houve o primeiro programa de musicoterapia do mundo, nos EUA. Em 1972, foi criada a primeira graduação de Musicoterapia no Brasil, no Conservatório Brasileiro de Música, localizado no Rio de Janeiro.
Mas a quem se destina a musicoterapia? 

A musicoterapia destina-se a todas as pessoas (crianças, jovens, adultos e idosos). A terapia da música pode ser utilizada no tratamento de dores, reabilitação de acidentes vasculares cerebrais (AVC), lesões traumáticas, na melhora da coordenação motora tanto de crianças, como jovens e idosos com deficiências neurológicas, com pessoas cegas ou surdas, doentes de Parkinson, mulheres grávidas, deficientes físicos, entre outros.

Quais são os benefícios?

Capaz de alterar a respiração, a pressão sanguínea e até mesmo os batimentos cardíacos, a música também atua diretamente no sistema límbico do cérebro. “Essa região é responsável pelas emoções, afetividade e motivação, por isso é capaz de contribuir com o aumento da produção de endorfina e principalmente para a socialização, já que um dos maiores desafios a serem vencidos por estes pacientes é o isolamento social. Um dos motivos pelos quais ela é indicada no tratamento das doenças psíquicas é que contribui muito no combate ao estresse, ansiedade e depressão”.

A música atua na mente humana, harmonizando os hemisférios cerebrais, e por consequência equilibrando pensamento e sentimento

Como são as sessões?
As sessões podem ser individuais ou em grupo (mínimo três) e são centradas nas necessidades de cada cliente, bem como no potencial de cada um deles. Uma sessão pode ter entre 30 a 45 minutos. Para realizar as intervenções terapêuticas conta-se com aparelhagem de som, uma grande diversidade de instrumentos musicais e o próprio corpo como recurso sonoro.

Nas sessões são vivenciadas inúmeras variações das seguintes experiências musicais:

Improvisação – o paciente cria e executa música simultaneamente, cantando e/ou tocando um instrumento;

Recriação – o paciente executa músicas já existentes cantando e/ou tocando um instrumento;

Composição – com auxílio do terapeuta, o paciente cria canções, letras e peças instrumentais;

Audição musical – o paciente ouve música, podendo responder à experiência de forma silenciosa, verbalmente ou através de outras modalidades de expressão

Em relação aos ritmos usados na musicoterapia pesquisas divergem opiniões, pois alguns acreditam que o rock e ritmos pulsantes não sejam indicados outros acreditam que o rock tem efeito contra depressão.

Quem é o musicoterapeuta? 

O musicoterapeuta é um terapeuta com formação específica em musicoterapia (música, saúde, terapia, psicologia, desenvolvimento pessoal e supervisão). O musicoterapeuta precisa ser treinado em vários instrumentos. O violão, o piano e a percussão são os mais comuns.

Onde encontrar um musicoterapeuta?
Os musicoterapeutas trabalham em escolas, clínicas, centros de desenvolvimento, lares de idosos, entre outros. Este profissional pode também atuar em grupos com profissionais de várias áreas, como médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e educadores.

Qualidade de vida

Acredito que a musicoterapia pode ser mais indicada no auxilio as doenças, pois aumenta a capacidade recuperação de forma lúdica e prazerosa, mas não somente destinar-se a clientes diagnosticados e indicados ao uso da terapia, mas como prevenção, apoio, melhoria na qualidade de vida.

Referências: http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/equi20000808_musicoterapia01.shtml

https://musicaebemestar.wordpress.com/como-e-uma-sessao-de-musicoterapia/

https://origensideiaseletras.webnode.pt/news/musicoterapia1

http://movidaamusica.blogspot.com.br/2009/05/musicoterapia-e-uma-forma-de-terapia_18.htm

http://superficialista.blogspot.com.br/search?q=musicoterapia

Moda Plus Size para mulheres elegantes

Por Maria do Socorro Bezerra

Socorro

Eu resolvi escrever sobre a moda plus size porque, em uma época, tive muita dificuldade de encontrar roupas que me servissem. Após a gravidez fiquei acima do peso e chequei a pesar 82 quilos. Foi uma época muito difícil. Minhas medidas foram para tamanho 48 e, quando eu pensava que teria de sair para comprar uma roupa, entrava em depressão. Fiz várias dietas, até que consegui controlar o peso. Hoje uso tamanho 38.

Por isso, acredito na importância de falar sobre este tema. Sabemos que a fabricação de roupas de “tamanhos grandes” sempre existiu, mas nem tudo é plus size.

O nosso primeiro desafio para conseguir obter uma visão mais precisa deste segmento, sem dúvida nenhuma, foi a definição de um critério claro sobre o que poderia ser classificado como Moda Plus Size.

A Moda Plus Size é direcionada para pessoas, especialmente mulheres, que usam roupas acima do padrão convencional vendido nas lojas, que usam roupas de tamanho acima do 44 e calçados acima do 39.

Um estudo do Sebrae mostrou que 71% das pessoas que usam GG têm dificuldades para encontrar roupas nas lojas e 86% delas se dizem insatisfeitas com as opções de roupas para manequins grandes.

A pesquisa também mostrou que a maioria do público tem dificuldades de comprar vestido de festa (59%). É uma frustração toda vez que você tenta comprar uma peça nova para um casamento, por exemplo. É desanimador!

Para comprovar que mulheres que vestem peças acima do 44 passam por situações desagradáveis e constrangedoras quando tentam adquirir uma simples camiseta. Uma reportagem do R7 mostrou a busca de um presente tamanho GG em um shopping de classe média de São Paulo.

Veja aqui: https://meuestilo.r7.com/moda/o-que-as-gordinhas-vestem-encontrar-roupas-plus-size-ainda-e-desafio-nas-lojas-brasileiras-10072017

O segmento Plus Size corresponde hoje a apenas 1,5% das vendas totais da linha de roupas femininas e masculinas, muito abaixo do seu verdadeiro potencial, se considerarmos que mais da metade da população brasileira se encontra acima do peso.

Dados do Ministério da Saúde mostram que quase metade dos adultos está acima do peso no país. Pelo menos 48,5% da população tem sobrepeso e 15,8% dos brasileiros são obesos.

A quantidade de potenciais clientes das roupas GG representa uma oportunidade e um desafio. Atuar nesse nicho exige compreensão sobre o público e de suas necessidades, anseios, percepções e comportamentos. São pessoas que não querem apenas vestir uma roupa que atenda ao seu manequim, mas também ressaltar seu estilo e beleza por meio do uso de roupas e acessórios da moda.

Segundo a Associação Brasileira do Vestuário (Abravest), o setor de moda plus size movimenta, anualmente, cerca de R$ 4,5 bilhões no país, o que significa pelo menos 5% do faturamento total do setor de vestuário. A expectativa é de um crescimento de pelo menos 10% ao ano.

Ainda segundo a Abravest, estima-se que existe no país pelo menos 200 confecções que trabalham com a moda plus size.

Mas isso ainda é muito pouco, diante do enorme mercado brasileiro do segmento plus size. Além disso, como nos Estados Unidos, as lojas convencionais deveriam exigir das confecções a produção de peças com numeração acima do 44.

 Fontes:

http://www.iemi.com.br/a-verdadeira-dimensao-do-mercado-de-moda-plus-size-

http://www.iemi.com.br/a-verdadeira-dimensao-do-mercado-de-moda-plus-size-

http://www.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/NA/mercado-plus-size-e-oportunidade-para-pequenas-empresas,838e975cfef17510VgnVCM1000004c00210aRCRD

http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/2013/08/confeccoes-plus-size-de-andradas-abastecem-mercado-brasileiro.html

 

A importância da Copa do Mundo para as etnias

Por Luanda Olivastro

LuandaGrande parte das notícias publicadas sobre a Copa do Mundo não mostra o amplo significado das diversas etnias de cada país, que ultrapassa as estritas linhas do campo de jogo.

A construção de identidades está muito ligada à atributos culturais. Por exemplo: na Copa de 1938, na França, houve grande repercussão internacional para a sociedade brasileira, por conta dos estereótipos de “raça brasileira”, enaltecida pela sua miscigenação de negros e mulatos. Os estrangeiros acreditavam que isso tornava os brasileiros mais fortes, o que faz o Brasil carregar o título de “país do futebol”.

O sucesso veio também por parte do governo, ao transformar o time em um catalisador da identidade nacional, na Copa de 1970.

Visto como um evento globalizado, o torneio une os cinco continentes. O  futebol em si tem sido apontado como um dos principais elementos geradores de identidade. Os participantes não são meros “times de futebol”, eles são representantes oficiais de cada nação, e vistos como uma questão de estado na formação da identidade de um povo. É a chance de se colocar em destaque comparado com o resto do mundo.

Portanto, o torneio é de grande importância para a construção de uma cultura nacional, afinal de contas, quem vence é incontestavelmente “melhor do mundo”.

Acompanhe o ranking dos campeões da Copa do Mundo:

Brasil: 5 títulos

Alemanha: 4 títulos

Itália: 4 títulos

Argentina :2 títulos

Uruguai: 2 títulos

Inglaterra: 1 título

França: 1 título

Espanha: 1 título

Tróia: o plano dos deuses que mudou a história dos homens

 

Troia1a

No segundo semestre de 2017, os alunos do Curso de Comunicação e Expressão do CETECC mergulharam em um dos mais antigos clássicos da humanidade: A Ilíada e A Odisseia, dois livros épicos, atribuídos ao grego Homero, que teria vivido por volta do século VIII a. C. E por que uma história contada há quase 3 mil anos ainda continua empolgando a todos? Porque ela traz os elementos que sempre moveram os seres humanos: amor, ódio, vingança, vaidade, inveja, poder e glória.

Ao longo do curso, os alunos leram o livro “A Guerra de Troia” (L&PM), uma adaptação muito bem escrita pelo professor Claudio Moreno. Intercalamos a leitura e discussão de capítulos com trechos do filme “Troia” (2004), com Brad Pitt interpretando Aquiles e o grande Peter O’Toole como o rei Príamo, entre outros atores famosos (Eric Bana como Heitor e Orlando Bloom como Páris).

Uma das tramas mais envolventes de todos os tempos fez com que os alunos vibrassem com a história. E a forma como cada um deles interpretou a obra mostra porque um clássico sempre toca fundo em todos nós.

“O livro começa com a história de um casal romântico (Helena e Páris), que se apaixona, com ajuda da deusa do amor Afrodite, que, por vaidade, prometeu Helena a Páris. Por amor, esta linda mulher abandonou seu lar, seu povo e seu esposo. Os deuses já esperavam por essa profecia e com ela veio a guerra, que chegou a durar 10 anos”, resume Rosana Ribeiro Fontana.

“A história retrata um período da Grécia em que a ganância, o orgulho ferido e o ego de homens destroem a cidade de Troia. Mostra também como a crença ou fanatismo por deuses e seus reais poderes a quem os desafia podem causar danos irreparáveis”, continua Renata Batista Guedes.

“Uma história de muitas emoções e surpresas, destacando os grandes guerreiros, em uma guerra comandada pelos deuses. Após Menelau receber a mensagem de que seu hóspede Páris teria raptado sua esposa Helena, e pedir ajuda ao ganancioso irmão Agamenon, inicia-se uma grande guerra contra Troia. Enquanto alguns lutam pela Grécia, honra e poder, Aquiles, o guerreiro semideus, luta por glória e pelo orgulho de ter seu nome eternamente lembrado”, relata Edvany Santos da Silva.

Comparando livro e filme

Existem diferenças importantes entre o livro e o filme, e os alunos comentam sobre elas. “No filme, parece que a guerra aconteceu por causa de Helena, mas não foi só por causa desta mulher e sim um plano dos deuses”, conta Jennifer Ribeiro da Silva.

“O livro detalha fatos que no filme jamais são mencionados. Por exemplo: como e porque a guerra realmente aconteceu – pelo simples capricho dos deuses – ou como Aquiles morreu e as histórias de suas mulheres. Já o filme foca mais na guerra entre gregos e troianos”, diz Rosana.

“Entre o livro e o filme, prefiro o livro por ser mais detalhista. O filme não mostra a influência que tinham os deuses sobre as vidas dos personagens”, compara Renata.

“O livro é maravilhoso e deixa a história mais emocionante. Atrai muito as expectativas dos fatos e revela os personagens com detalhes minuciosos. O filme destaca-se na guerra, nas habilidades dos guerreiros e também é bom. Porém, o livro tem muito a presença dos deuses, o que difere bem, principalmente o desfecho da história”, avalia Edvany.

O que mais gostamos

Troia2a

Os alunos relatam o que mais gostaram na obra. “Gostei da forma que a história foi escrita e dos fatos que aconteceram, com muitos detalhes ocultos. Eu me surpreendi”, revela Rosana.

“O que mais gostei foi o respeito que Aquiles teve com o rei Príamo, no momento de dor deste com a perda do seu filho, o príncipe Heitor, liberando o corpo para ser feito o ritual funerário”, afirma Renata.

“O que mais achei interessante no livro foi a manipulação dos deuses sobre os homens”, opina Edvany.

“Eu conhecia o filme, mas não conhecia a história completa e não sabia que os deuses faziam parte dela”, conta Jennifer.

O que mudaríamos na história

Perguntamos também o que os alunos mudariam na história. “Eu mudaria a morte do príncipe Heitor, porque ele não tinha nada a ver com o rapto de Helena e tinha um filho para criar”, diz Rosana.

“A princípio, eu poderia até retirar Helena dessa história, pois ela quase não aparece, mas depois percebi que os gregos precisavam de um pretexto e foi a bela Helena o bode expiatório”, continua Renata.

“Eu faria uma batalha final entre os deuses, dando um destino a cada um, até mesmo viver como os mortais, pois a história mostra que eles têm desejos semelhantes aos homens. Seria interessante provar dos sentimentos e consequências que implantaram nos corações dos homens”, sugere Edvany.

“Eu não mudaria nada, porque não haveria história. Por exemplo: se Aquiles permanecesse vivo, ele iria escolher viver com um amor e sua história não seria contada”, conclui Jennifer.

Os trechos favoritos

Troia3a

Os momentos mais marcantes também foram relatados pela turma. “A coragem de Príamo em ir pessoalmente negociar o corpo do seu filho querido Heitor, mesmo sabendo que poderia morrer ali”, aponta Rosana.

“O encontro entre o rei Príamo e o grande guerreiro Aquiles. Além de coragem, o respeito a admiração um com outro”, concorda Edvany.

“Para mim, os momentos mais marcantes foram a chegada da grande frota de navios da Grécia em Troia e a flechada no calcanhar de Aquiles”, escolhe Renata.

“O sacrifício de Ifigênia, pois se ela não quisesse morrer naquele momento, poderia deixar Aquiles lutar por ela e matar todos aqueles homens para salvá-la; porém ela escolheu morrer, para realizar a profecia dos deuses, a destruição de Troia”, descreve Jennifer.