Uma história de amor que acaba em tragédia

Lucas Vinícius

VINICIUS

A história de Romeu e Julieta conta uma tragédia que serviu de lição para as famílias Capuleto e Montecchio. Romeu, um Montecchio, e Julieta, uma Capuleto, têm seu primeiro encontro na festa dada na casa dela. Um encontro inesperado que iria provocar uma reviravolta nas duas famílias, que preferiam ver um ao outro morto do que casado com um rival.

Os dois se apaixonam e se casam escondidos com a ajuda do Frei Lourenço, que pretende com isso que as famílias rivais acabem com as brigas.

Mas o plano não acaba como o planejado. Romeu, em uma briga mata um primo de Julieta, Teobaldo, e acaba sendo exilado de Verona e vai para Mântua.

O pai de Julieta decide que ela se case com o conde Páris, mas como ela já está comprometida com Romeu não poderia se casar com outro. Então o frei Lourenço cria um plano para os dois, fazendo que Julieta se pareça morta.

O frei Lourenço manda uma carta para Romeu, informando sobre o plano. Romeu não recebe a carta e é informado de outra maneira. Ele acaba se matando, envenenado no jazigo da família Capuleto. Julieta acorda, vê Romeu morto e acaba se matando com a adaga dele.

Enfim, as duas famílias fazem as pazes com a morte dos filhos.

Eu gostei deste, quando as famílias acabam se entendendo da pior maneira possível. Eles viram que as brigas deles eram por motivos bestas e que afetaram o amor de Romeu e Julieta, que acabam mortos juntos. Eu não gostei do Romeu ter sido expulso de Verona por ter matado o primo da Julieta, porque foi Teobaldo que matou seu amigo Mercúcio.

Na história, dá para perceber que vai acontecer uma tragédia, porque as duas famílias eram rivais, uma querendo a morte da outra.

Hoje em dia ainda ocorre muito isso. Primeiramente pelo preconceito que aparece até nas novelas, mostrando pessoas mais carentes que acabam gostando de pessoas ricas e que não são apoiadas pelos pais.

Em nossa época não aconteceriam as mortes de uma família pela outra, mas ainda haveria muitas brigas.

Eu mudaria o final da história de Romeu e Julieta, com os dois vivos na cidade vizinha, sem as duas famílias saberem disso.

Anúncios

O drama de uma paixão proibida

Alan Batista

ALLAN

O livro “Romeu e Julieta” conta uma história de amor entre jovens de duas famílias rivais: Capuleto (JULIETA) e os Montecchio (ROMEU). Os dois são perdidamente apaixonados, só que como suas famílias são rivais isso impede que eles se casem. No começo da história, Romeu era apaixonado por Rosalina, uma Capuleto, mas numa festa de máscaras ele conhece Julieta e os dois se começam a se entrosar (vamos dizer assim).

O amor dos dois começa a florescer, ao contrário do que ele sentia por Rosalina. Mas havia outra barreira ao namoro, porque Julieta já estava comprometida com o conde Páris, por vontade do pai dela.

Os dois fogem para se casar e o Frei Lourenço acaba aceitando, pois havia pensado que casando os dois as famílias ficariam em paz.

Então chega Teobaldo (que era primo da Julieta) querendo brigar e matado o primo de Romeu, que era Mercúcio. Romeu não mede esforços para não brigar, só que para vingar a morte do seu primo, saca a espada e vai à luta. E assim o corajoso Romeu acaba matando Teobaldo, é expulso da Verona e segue para Mântua exilado.

Só que antes de sair da cidade, Romeu passa a noite com Julieta, quando acontece a cena mais forte de amor dos dois apaixonados (É a cotovia que anuncia a manhã e não o rouxinol).

Com Romeu fora da cidade de Verona e alguns dias depois da morte Teobaldo, os pais de Julieta preparam a festa de casamento da filha mesmo contra a vontade dela. Julieta vai até a cela do Frei Lourenço, conta tudo (que prefere não viver sem Romeu) e ele diz que tem um plano. Deu um líquido para ela beber e cair desacordada.

Mas Romeu, em Mântua, não sabia do plano. Frei Lourenço manda o Frei João entregar uma carta para Romeu, mas ele tem um problema no caminho. Nisso, Baltazar chega com as notícias antes do Frei João (de que Julieta estava morta).

Romeu vai até o boticário e compra um veneno para se matar ao lado de sua amada. Depois vai até o jazigo onde encontra Julieta morta, ou melhor, desacordada. Ele começa a beber o veneno quando Julieta estava acordando.

Julieta vê seu amado morrendo e começa a se desesperar. Ela pega o punhal de Romeu e se mata. O Frei Lourenço também se desespera e conta tudo para as famílias Capuleto, Montecchio e para o príncipe.

As famílias Montecchio e Capuleto começam a fazer as pazes. O ódio não leva a nada.

A história de Romeu e Julieta é um drama de uma paixão proibida.

Eu gostei do final do filme (de 2013), quando os dois morem juntos lado a lado e principalmente a primeira noite dos dois como casados (a cena da cotovia e do rouxinol).

O que menos gostei foi quando Romeu foi expulso de Verona e teve que ficar longe da amada.

A magia do amor

Por Lucas Rafael

RAFAEL

 

A história de Romeu e Julieta conta o amor incondicional entre dois adolescentes, que encontram várias adversidades em sua trajetória romântica, pelo simples fato de suas famílias serem rivais de sangue, Montecchio e Capuleto.

Essa história traz muitas mortes em ambas famílias, tornando-a uma tragédia, com lutas épicas e emocionantes.

Esta obra de William Shakespeare foi escrita há mais de 400 anos, se tornou um clássico da literatura no mundo todo e é lida até hoje sem perder a emoção, porque retrata o que ainda acontece os dias atuais.

Eu achei a história legal por ser um conto que mistura as emoções. Uma hora Romeu e Julieta estão felizes da vida porque casaram, e depois estão tristes porque Romeu é exilado da cidade de Verona.

A parte que mais me chamou a atenção foi o baile de máscaras, quando Romeu e Julieta se conhecem, e rola todo aquele clima, e eles inocentes sem saber do tamanho do perigo dos dois ficarem juntos.

A parte que eu menos gostei foi quando Romeu teve que vingar seu primo Mercúrcio, matando Teobaldo contra sua vontade, e como consequência foi exilado de Verona, sendo impedido de ver sua família e sua amada Julieta.

Desde o início, percebemos que esse romance não vai acabar bem, por causa do insaciável ódio entre as famílias de Romeu e Julieta.

Nos dias de hoje existem amores como o da obra do William. Essa obra é um clássico que não perde a emoção mesmo sendo escrita há mais de 400 anos.

As diferenças para hoje são poucas, mesmo sendo tempos modernos. O que não aconteceria atualmente é que não haveria tantas mortes como foi no século 16.

Eu mudaria o final, não deixaria nem Romeu e Julieta morrerem. Escreveria que os dois viajaram para muito longe e viveram felizes para sempre, e que suas famílias, logo depois desse acontecimento, reconheceram que não havia mais razão para brigas.

Uma curiosidade é que, em 2016, completa-se 400 anos da morte de William Shakespeare, autor inglês dessa obra que ficou conhecida mundialmente pelo que retrata, sobre o amor, o ódio e a sede pelo poder de ambas as famílias.

Prefeitura promete equipamento cultural na Cidade Ademar

Por Alan Batista

Cidade Ademar

A população da Cidade Ademar sente falta de cultura na região. A Subprefeitura prometeu construir um equipamento cultural no bairro, mas ainda não informou quando nem o endereço. Os detalhes devem ser anunciados no segundo semestre de 2015, de acordo com a Subprefeitura.

Os serviços mais pedidos na Cidade Ademar são saúde, moradia, educação e cultura, entre outros. Mas em uma pesquisa feita pela Prefeitura, apenas 18 pessoas pediram um equipamento cultural na região.

Acho que isso mostra como a educação não é valorizada no Brasil, e principalmente a cultura.

Por isso, nós, brasileiros, precisamos ir à luta para conseguir o que queremos.

 

Até que a morte os una para sempre

Por Debora Oliveira**

DEBORA

 

Vou contar para vocês a história de um amor trágico, que a morte uniu para sempre. O livro de Shakespeare “Romeu e Julieta” conta a história de um amor impossível que se passa na cidade de Verona. Os jovens se apaixonam, mas não podem viver esse amor, pois suas famílias são rivais.

Romeu é um Montecchio e Julieta é uma Capuleto. Eles casam-se escondidos com a ajuda de um frei amigo de Romeu (Frei Lourenço), mas a felicidade do casal dura pouco, pois logo após o casamento Romeu briga na rua e acaba matando o primo de Julieta, Teobaldo.

Por isso, Romeu acaba sendo expulso da cidade de Verona e vai para outra cidade, Mântua. E para complicar tudo, os pais de Julieta querem que ela se case com o conde París, que deseja muito se casar com a jovem.

Com a data do casamento forçado marcada para alguns dias depois, Julieta vai até o frei e diz que está disposta a se matar se não conseguir ficar Romeu.

O frei tem um plano: ele oferece uma porção que faz a jovem parecer morta. Ela aceita tomar a substância antes de seu casamento com o conde. Para que tudo dê certo, o frei irá mandar uma carta para Romeu falando do plano.

Mas o plano não dá certo. Romeu não recebe a carta do frei a tempo e acaba sabendo que sua amada está morta. Ele vai até um boticário (lugar que vende venenos) e compra uma substância para morrer junto com sua amada.

Logo após, a jovem acorda e vê Romeu morto. Indignada, ela pega o punhal de seu amado e crava no peito. Depois, sabendo de toda a verdade, as duas famílias rivais selam a paz.

Minha opinião

Eu achei muito bonita a história de Romeu e Julieta, mas não gostei do final trágico. O casamento dos dois foi a minha parte preferida, mas não gostei do final porque os dois jovens morrem. Um final previsível, já que a rivalidade das famílias era muito forte.

No mundo atual já não existem mais histórias de amor assim, pois as pessoas não amam assim. Linda história de amor! Mas eu mudaria o final. Gostaria que eles pudessem viver essa história de amor!

 

**Durante o semestre os alunos do curso de Comunicação e Expressão leram o livro de Shakespeare e assistiram a uma produção cinematográfica sobre a história de Romeu e Julieta. Depois foram estimulados a escrever sobre o que entenderam

Mais creches para Cidade Ademar

 

Por Mateus Vaz

 

criancas crechesOlá, meu nome é Mateus Vaz moro na Cidade Ademar. Sou do Curso de Comunicação e Expressão. Um dos meus desafios do curso foi pesquisar na internet sobre o tema: creches no bairro de Cidade Ademar, onde eu moro.

Descobri que para cada 100 crianças que estão querendo vagas em creches, 55 não conseguem se matricular, ou seja, a maioria fica de fora. (https://forumcidadeademarpedreira.wordpress.com/2011/04/25/encontro-%E2%80%9Cfalta-de-vagas-em-creches-e-emeis-na-cidade-ademar-e-pedreira%E2%80%9D). Além disso, o índice de atendimento nas EMEIs da Cidade Ademar e Pedreira é o menor entre as 31 subprefeituras de São Paulo.

Vi também nesse outro site que a prefeitura está muito longe de atingir a meta de 150 mil vagas na cidade (http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,falta-de-creches-em-sp-e-calamitosa-diz-defensor,1618987)

Isso é muito triste, mas a população está fazendo a sua parte. Mães e pais de crianças que não conseguem vagas nos equipamentos de ensino infantil da região e pessoas interessadas no tema estão se mobilizando para mudar a situação.

Estão fazendo assembleias em igrejas e buscando o poder público para que seus filhos possam estudar. A luta por mais creches em Cidade Ademar tem de ser de todo mundo.

Por isso, resolvi enviar um e-mail para a Secretaria de Educação de São Paulo e, advinhem, eles me responderam! Leiam a resposta da Área de Comunicação e Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Educação:

A atual gestão, desde que assumiu, já criou 46 mil vagas em Educação Infantil (creche e pré-escola). O Plano de Obras para a Educação Infantil abrange construções em todas as regiões da cidade onde há demanda e o principal desafio para acelerar o início das obras são os processos de desapropriação. O tempo de espera para matrícula em creche na Rede Municipal de Ensino pode variar conforme a densidade populacional da região em que a família vive.

A missão da Secretaria Municipal de Educação é não deixar nenhuma criança fora da creche. Esta gestão trabalha para entregar à cidade, até o final do mandato, pelo menos 100 mil novas vagas. Por isso, a SME está buscando formar parcerias com a iniciativa privada e já reuniu mais de 170 empresários em março: http://www.capital.sp.gov.br/portal/noticia/5412#ad-image-0).

Em paralelo ao esforço de construção de unidades, a administração municipal está priorizando o atendimento de crianças e, portanto, irá intensificar os convênios para diminuir o atual déficit de vagas na cidade. Desde o início da administração Fernando Haddad foram realizadas 142 obras, sendo 87 creches, 41 pré-escolas e 14 EMEFs.

Há uma tendência no aumento da fila, maior que o aumento de matrículas porque, na nossa cidade, a média histórica de crescimento da demanda por vagas em creche é de 7%. Além disso, a oferta de vagas crescente na Educação Infantil, aliada à qualidade do serviço oferecido, tem levado, cada vez mais, famílias a pleitearem por uma vaga.

Creches em Cidade Ademar: 35 (CEIs diretas, indiretas e conveniadas).

Alunos atendidos: 4.682 crianças.

Demanda atual: 6455 crianças cadastradas.

É isso aí, precisamos continuar cobrando!!

Insegurança e medo no Jabaquara

Por Lucas Vinicius

insegurança

Meu nome é Lucas Vinicius e faço o curso de Comunicação e Expressão do CETECC. Estou escrevendo para este blog “Tudo ou Nada Junto e Misturado”. Meu desafio é contar um pouco sobre a violência no bairro do Jabaquara, onde moro. Nos últimos anos, moradores de prédios e casas estão colocando faixas nas grades alertando as pessoas sobre a criminalidade da região.

Além dos furtos de veículos, o Jabaquara é conhecido também por conta dos assaltos. Saiba algumas histórias de crimes que tiveram grande repercussão no bairro:

Objetos roubados:

Reportagem do portal de notícias G1 (http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL1442834-5605,00.html), em 2010, revelou que um taxista ajudou três mulheres assaltadas. “Elas chegaram em prantos dizendo que tiveram as bolsas roubadas”, contou.

Outro motorista que também pediu anonimato disse, ao mesmo portal de notícias, que foi roubado três vezes em dois meses. “Levaram dinheiro, celular e relógio”. Antes de os assaltantes irem embora, ameaçaram o taxista: Disseram que se eu fizesse BO (Boletim de Ocorrência) iriam me pegar no ponto onde trabalho”.

Caixas eletrônicos

No final do ano passado, a Polícia Militar trocou tiros com um grupo de assaltantes, durante um ataque a caixas eletrônicos, como mostrou reportagem do telejornal “Bom Dia São Paulo”, da TV Globo.
Os criminosos foram ousados. Renderam um taxista e um motorista de caminhão, que foi usado para bloquear o trânsito uma das grandes avenidas da região.

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/12/ladroes-trocaram-tiros-com-pm-em-ataque-caixa-eletronico-em-sp.html

Medo de ficar em casa

Em abril deste ano, moradores acordaram na manhã ao som de um tiroteio, sirenes e helicóptero, segundo o portal da revista Veja São Paulo. Às 8h20, quatro bandidos deixavam uma casa na rua Taquaquecetuba após um assalto quando foram surpreendidos por policiais militares.

No local, houve troca de tiros, mas apenas um assaltante foi preso. Outros três ainda conseguiram fugir por um córrego, mas foram detidos com a chegada do reforço de outras equipes da PM.  Na perseguição, um homem foi baleado no pé e levado para o PS São Paulo.  Nenhum policial se feriu na ação.

http://vejasp.abril.com.br/materia/assalto-termina-em-troca-de-tiros-com-a-policia-na-zona-sul/

Até quando a violência vai fazer parte do nosso cotidiano?

Amor e ódio acima de tudo

Por Mateus Vaz

MATEUS

Romeu e Julieta eram dois jovens apaixonados e de famílias rivais. Julieta era uma Capeto e Romeu um Monte chio. Ao ler o livro e assistir ao filme, nós já sabíamos que o amor de Romeu e Julieta iria acabar em tragédia porque as famílias eram muito inimigas. Além disso, eles se casaram escondidos, com a ajuda do Frei Lourenço, sem a permissão das famílias Capeto e Monte chio.

Apesar da tragédia, o romance emociona quem lê o livro. A morte trágica dos dois faz a gente pensar como é sem sentido a briga de duas famílias. De todo o livro, a parte que eu menos gostei foi quando o senhor Capeto e o senhor Montechio fizeram as pazes. Eles esperaram o pior acontecer para ficarem amigos.

Eu achei a história muito boa, apesar de muitas tragédias, mas o amor sempre prevalece.

A história tem muitas semelhanças com o mundo de hoje, onde existem famílias que são rivais e também filhos que fazem muitas coisas escondidos da família. Na minha opinião, as mulheres do mundo de hoje não iriam se suicidar por um amor de tão pouco tempo.

E eu transformaria o final da história. No momento em que Romeu colocava o frasco de veneno em sua boca, Julieta acordaria e o impediria de fazer a besteira de acabar com sua vida.