Alice sonhos e medos

Por Michael Alves

Um mundo louco é onde a pequena ou a grande Alice vão parar. Li recentemente Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, e assiste o filme de mesmo nome, do diretor Tim Burton, no curso de Comunicação e Expressão, do Cetecc.

Gostei das duas versões. No filme, Alice tem medo de casar e crescer e não ser mais a mesma criança. No livro, Alice é curiosa e esperta. Gostei do final, quando Alice acorda e diz para sua irmã que teve um sonho louco. Da história, eu apenas mudaria a parte em que ela cresce e diminui muitas vezes.alice-michael

Anúncios

Longa batalha entre criador e criatura

IMAGEM michael

Por Michael Alves

Na minha opinião, achei a história de Frankenstein, de Mary Shelley, muito boa. Uma história que quase todo mundo não conhece ou se conhece é de ouvir falar. Alguns acham que a criatura se chama Frankenstein, mas na verdade seu criador é que se chamava Victor Frankenstein.

A história trata de um jovem cientista chamado Victor Frankenstein que sempre tinha curiosidade de onde surgia a vida. Depois que sua mãe morreu por uma doença, a escarlatina, que hoje em dia é comum, mas não mata, Victor ficou curioso e obsessivo para tentar dar vida a um ser morto.

Ao conseguir dar a vida a uma criatura, ele se arrependeu e a abandonou-a. Sentindo-se desprezada, ela resolveu se vingar, matando os entes queridos de Victor.  E assim acontece uma longa batalha entre criador e criatura.

Eu gostei mesmo sendo a história uma ficção cientifica. Fala sobre problemas familiares, desprezo do pai, que até podia ser da própria mãe. Não gostei muito das mortes. A história tem muitas mortes.

Eu mudaria o final do enredo. O casal Victor e Elizabeth ficariam vivos, felizes e juntos, e a criatura encontraria um lugar e viveria com outras criaturas, criando uma família.

Sim, recomendaria ler o livro e assistir ao filme por um simples falto de ser um clássico e por envolver problemas familiares.

A HISTÓRIA E A EVOLUÇÃO DO KARATÊ

Por Michael Alves

A arte marcial Karatê surgiu por imigrantes monges e outros rebeldes em uma ilha que atualmente é o Japão. Quando todos já dominavam a técnica, ao longo dos anos, muitos estudiosos chegaram à conclusão que a espiritualidade tão comum a essas artes estava perdendo espaço para a pura luta violenta. Tanto que os lutadores chegavam a matar uns aos outros. Isso ia contra os pensamentos dos monges no Japão e as práticas passaram a ser enriquecidas com novas formas de compreender o karatê.

O Karatê é uma arte marcial com um conjunto de socos e chutes e muitos outros movimentos do corpo do lutador, como joelhadas e cotoveladas.

Mas o Karatê não depende só de lutas, como também da mente do lutador. É uma arte marcial de autodefesa, mas o lutador não pode usá-la no dia a dia. Se infringir essa regra, será punido por sua academia. E caso fosse no Japão antigo, seria morto pelo seu próprio Sensei (mestre), fosse o lutador faixa preta ou não.

Karate Michael

Condicionamento e competições

O Karatê depende também de um bom condicionamento físico, principalmente cardiorrespiratório, equilíbrio e flexibilidade.

Como algumas lutas de campeonato duram 3 minutos ou mais e ainda há uma apresentação de kata (técnica), o condicionamento físico precisa ser bom.

Estilos diferentes

Existem muitos estilos no karatê, mas os mais tradicionais são o que estão nessa imagem abaixo. Existem oito grandes estilos, que são: Goju Ryu, Shito Ryo, Shorin Ryu, Shotokan, Wado Ryu, Uechi Ryu, Kenyu Ryu e Kyokushin Kai. Contudo, apenas quatros estilos são reconhecidos pela Federação Mundial de Karatê (WKF): Goju Ryu, Wado Ryu, Shito Ryu e Shotokan.

Cada um com seu jeito de lutar, com os seus próprios movimentos.

Nas próximas imagens, os oitos estilos e seus símbolos.

Símbolos

Shito Ryu

Shito Ryu

O significado de Shito provém das iniciais dos nomes dos dois principais mestres de Kenwa Mabuni: Anko Itosu e Kanryo Higaonna. O ideograma Kanji representa a sílaba “Ito” do nome de Itosu e pode ser lido como “Shi”. Já o outro ideograma representa a sílaba Higa (Shi), do nome de Higaonna, que também pode ser lido como “To”, assim forma a palavra Shito. Já o Ryu significa corrente ou fluxo.

O estilo Shito Ryu é uma base mais suave das combinações de golpes. Este estilo se destaca dos outros pela quantidade de kata, pela suavidade e versatilidade das técnicas de combate e pela fina lição de técnicas de solo.

Existem 57 katas dentro do Karatê-do Shito Ryu.

Shoryn Ryu

Shoryn Ryu

O estilo Shoryn Ryu é um dos 4 estilos de Karatê original, de onde nasceu outro, o Shotokan. Shorin é uma palavra japonesa que se pronuncia em chinês Shaolin, que quer dizer Pequeno Bosque, e a palavra Ryu significa Estilo. Tudo se traduz por Estilo do Pequeno Bosque.

Shito-Ryu é um estilo de karate-do criado (oficialmente) em 1931 por Kenwa mabuni, que sintetizou os estilos tradicionais tomari-te, shurite e Naha-te, no escopo de preservar as técnicas ensinadas à época pelos renomados mestres Anko Itosu.

O estilo é um dos quatro oficialmente reconhecidos pela federação Mundial de Karate. Outro momento importante da linhagem é o fato de formar outros grandes mestres, os quais acabaram por instituir suas próprias entidades.

O estilo Shito-Ryu é basicamente o resultado da combinação das características do estilo mais suave-circular do Shurite de Anko Itosu com estilo duro-linear do Naha-te de Kanryo Higarna. Porém, Kenwa Mabuni não se contentou em mesclar as correntes, mas também sistematizou o treinamento de maneira racional e cientifica.

Apesar da estar fundamentado nos ensinamentos de Anko Itosu e kanryo Higaonna o Shito-Ryu e uma verdadeira síntese dos ensinamentos de diversos grandes mestres das artes marciais da Okinawa.

Shotokan

Shotokan

É o estilo criado pelo “Pai do Karatê”, Gichin Funakoshi. Caracteriza-se por bases fortes e golpes no corpo inteiro. Os giros sobre o calcanhar em posição baixa dão fluidez ao deslocamento e todo o movimento começa com uma defesa. Quando a técnica de um soco é completamente dominada por quem pratica esta técnica de karatê, o seu poder é incrivelmente poderoso, chegando a ser sobre-humano.

O significado de Shotokan: “Shoto” era como Funakoshi assinava seus poemas, significando “pinheiros ondulados ao vento” e “kan” significa escola.

O estilo Shotokan surgiu com meia base do Shoryn Ryu. O criador Gichin Funakoshi  era um poeta e com muita inspiração no Japão ele criou o estilo. 

Mestre

Fontes:

(http://www.atividadesfisicas.com.br/karate/).

(Http://www.travinha.com.br/lutas-e-artes-marciais/77-karate/139-karate-os-estilos)